top of page

Receita fala sobre contribuição previdenciária destinada ao financiamento da aposentadoria especial

A Receita Federal do Brasil esclareceu que o enquadramento num dos correspondentes graus de risco, para fins de recolhimento das contribuições previdenciárias destinadas ao financiamento da aposentadoria especial e dos benefícios concedidos em razão do Grau de Incidência de Incapacidade Laborativa decorrente dos Riscos Ambientais do Trabalho (GILRAT), não se acha vinculado à atividade econômica principal da empresa identificada no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ), mas à "atividade preponderante".


(Foto por Josh Appel no Unsplash)


Em cada um dos estabelecimentos da empresa, seja ele matriz ou filial, deverá se identificar a atividade preponderante ali desempenhada, e essa identificação não terá consequência em relação ao código CNAE da atividade principal da empresa.


Para fins do disposto no art. 72, § 1º, da IN RFB nº 971/2009 , deve-se observar as atividades efetivamente desempenhadas pelos segurados empregados e trabalhadores avulsos, independentemente do objeto social da pessoa jurídica ou das atividades descritas em sua inscrição no CNPJ.


O grau de risco será apurado de acordo com a atividade efetivamente desempenhada que conte com a maior quantidade de segurados empregados e trabalhadores avulsos em cada um dos estabelecimentos da empresa.


Considera-se “atividade preponderante” aquela que ocupa, em cada estabelecimento da empresa (matriz ou filial), o maior número de segurados empregados e trabalhadores avulsos.


(Solução de Consulta COSIT nº 4.007/2021 – DOU de 05.02.2021)


Fonte: Editorial IOB.


#Aposentadoria


Postado na Castellar Assis para nossos clientes e interessados em contabilidade.

Comments


bottom of page